Zeferino Gabriel

Zeferino Gabriel nasceu no dia 12/04/1941,  no lugar de  Castanheira de Cima, Duas Igrejas, Penafiel — Portugal.

Com 14 anos emigrou para o Brasil, tendo fixado residência na cidade de Petrópolis, Estado do Rio de Janeiro. Concluiu seus estudos na Universidade Católica de Petrópolis — Bacharel em Pedagogia.

Aos 18 anos, conheceu um exilado político Chileno, Mário, que lhe cedeu por empréstimo um exemplar do livro “Vida dos Grandes Filósofos”, com a recomendação de não demorar na leitura, de vez que teria de devolvê-lo à Biblioteca Municipal dentro de 15 dias.

Logo nas primeiras páginas, Zeferino se depara com a figura de Sócrates e sua célebre frase:  “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo  e os deuses”.

Páginas adiante encontra a  biografia de Confúcio e sua não menos célebre frase: “Se o Homem não for feliz, não é feliz a  família, se a família não for feliz, não é feliz a nação e se nação não for feliz, não é feliz a humanidade”.

São duas maneiras diferentes de dizer a mesma coisa, ou seja, tudo começa no homem e converge para o  homem. Mas Sócrates e Confúcio viveram 500 anos antes do nascimento de Cristo e naquela época não existiam os modernos meios de comunicação dos nossos dias, nem universidades de excelência como as atuais.

Daí uma inquietante pergunta se instalou na mente do Zeferino: Em que fonte do saber Sócrates e Confúcio obtiveram um conhecimento tão profundo que atravessou milênios e chega aos nossos dias com vigorosa atualidade e instigante  conteúdo significativo?

Não estava mais empenhado em analisar e compreender os conhecimentos que  Sócrates e Confúcio transmitiam,  e sim em saber onde eles obtiveram os conhecimentos que transmitiam.

Esta busca consumiu décadas de pesquisas e indagações infrutíferas, até que em momento de rara quietude,  a mente de Zeferino foi surpreendida por um forte clarão e uma voz que vinha de dentro ecoava em seus ouvidos com clareza e sentenciosa precisão,  a qual  passou a elucidar todas as suas dúvidas e questionamentos até então não respondidos.

Recuperado do impacto que este “fenômeno” lhe causou, nunca mais perdeu contato com este raio luminoso nem com o saber que obtinha nestas ocasiões.

Decidido a conhecer quem assim se comunicava com ele, Zeferino mergulhou em si mesmo e, sem estabelecer quaisquer condições nem regras pré-elaboradas,  simplesmente disponibilizou sua mente para receber as informações/conhecimentos que ali  chegassem.

Esta simples atitude mental, determinada pela força da sua vontade, levou Zeferino ao encontro do seu Componente de Natureza Divina (DP),  a quem atribuiu o nome de “Gabriel”.

Foi este componente de si mesmo quem transmitiu ao Zeferino os conhecimentos de conteúdo filosófico apresentados nestas páginas,  de vez que a mente pensante elaborava os questionamentos e o DP intervinha de modo natural e espontâneo, quase imperceptível, para esclarecê-los.

Ao refletir sobre o que acontecia consigo neste diálogo interativo, Zeferino encontrou a resposta que procurava sobre a Fonte do Saber, tanto de Sócrates como de Confúcio.

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.